II.3 - OS PERIFÉRICOS E SEUS CONTROLADORES (ENTRADA E SAÍDA)

O módulo final (mais à direita) na Figura 2 são os controladores de periféricos. Existem os periféricos de entrada e os periféricos de saída. Esses dois dispositivos são usados para a comunicação com o mundo exterior. O periférico de entrada fornece informações à CPU ou à Memória Principal. Exemplos típicos de periféricos de entrada são o Teclado ou um Sensor tal como um sensor de temperatura, um detector de presença ou um sensor de pressão. O periférico de saída exibe o dado vindo da CPU ou executa comandos. Exemplos típicos de periféricos de saída são a impressora, um conjunto de lâmpadas, um Monitor de Vídeo ou um mecanismo de controle como um motor.

Todos os dispositivos periféricos, sejam internos ou externos, necessitam de algo para poder haver a comunicação entre eles e o computador. Basicamente, uma controladora é uma interface entre a CPU e um dispositivo periférico, como, por exemplo, o disco rígido, uma unidade de disquete, um teclado ou um monitor de vídeo. As duas funções executadas por uma controladora de periféricos são:

      A maioria dos periféricos é consideravelmente mais lenta do que a CPU na transferência de dados.
      Até o disco rígido, por exemplo, é milhares de vezes mais lento do que a CPU.       As controladoras convertem os dados do formato da CPU (5 volts, digital, e assim por diante) no
      tipo de formato que o periférico utiliza (por exemplo, Modified Frequency Modulation para os
      discos rígidos mais antigos). A CPU "conversa" através de sua própria linguagem elétrica com os
      demais chips existentes na placa-mãe. Os dispositivos como os monitores de vídeo necessitam de que
      os sinais sejam transmitidos nos formatos que eles possam utilizar. Novamente as controladoras
      exercem essa função.

Um sistema típico de um microcomputador terá uma controladora de teclado, uma controladora de vídeo, controladoras para os discos rígidos e flexíveis, e controladoras de interface para portas seriais e paralelas.

II.3.1 - PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO

Os periféricos de armazenamento são usados para armazenar dados e programas que podem ser movidos para a memória principal do computador. Os principais periféricos de armazenamento são os acionadores de disquete e de discos rígidos. Atualmente, a unidade CD-ROM também é um componente vital de armazenamento para sistemas de computadores Multimídias.

II.3.1.1 - ACIONADORES DE DISQUETE

Todos os computadores vêm com pelo menos um acionador de disquete. Em geral, se o seu computador tiver dois acionadores de disquete, um será para disquetes de 5 1/4 polegadas e o outro será para disquetes de 3 1/2 polegadas.

TIPOS DE DISQUETES

Há dois tipos de disquetes que podem ser utilizados no computador. O primeiro, é um disquete de capa mole e que possui 5 1/4 polegadas de largura (já desatualizado). O segundo, é um disquete de capa dura e que possui 3 1/2 polegadas de largura.
.

disquete de 5 1/4" ..............disquete de 3 1/2" 
Figura 5 - Tipos de Disquetes
.
Os disquetes de 5 1/4" vêm em duas variações, e os de 3 1/2 vêm com três variações. A tabela abaixo mostra essas variações de disquete.
tamanho capacidade
5 1/4" 360 Kb
5 1/4" 1,2 Mb
3 1/2" 720 Kb
3 1/2" 1,4 Mb
3 1/2" 2,8 Mb
Os acionadores de disquete são compatíveis verticalmente com os disquetes do mesmo tamanho. Assim, se tiver um acionador de disquete de 3 1/2" que use disquete de 2,8 Mb, o mesmo acionador poderá usar disquetes de 1,4 Mb e 720 Kb.

II.3.1.2 - DISCOS RÍGIDOS (HARD DISKS)

Um disco rígido para trabalhar exige um acionador de disco rígido e, portanto, não pode ser utilizado em um acionador de disquete. Um acionador de disco rígido é mais rápido que um acionador de disquete e pode conter mais dados, mas é também mais caro. Os disquetes são rapidamente retirados e colocados em seus acionadores, enquanto um disco rígido geralmente permanece lacrado em seu acionador.

A capacidade de armazenamento de discos rígidos variam, atualmente, de 3 Gb até 6 Gb. Portanto, já estamos com disco cujo o tamanho é medido em gigabytes.

II.3.1.2 - CD-ROM( Compact Disk Read Only Memory )

A tecnologia "laser" usada com disco de armazenagem ótica em computação é semelhante àquela usada com os já conhecidos discos CD de música. Um disco ótico CD-ROM é um disco rígido com um buraco no centro para aceitar o eixo do acionador de CD-ROM. A sua capacidade pode chegar a 600Mb ou mais num disco de 5 polegadas.

Figura 6 - CD-ROM
.
Em resumo, um disco CD-ROM é uma forma de armazenamento com alta capacidade e do tipo somente para leitura. Para ler o disco usa-se um "laser" . Um "laser" é um raio de luz altamente localizado e controlado que pode ser usado para ler dados pré-gravados.
 
II.3.2 - PERIFÉRICOS DE ENTRADA
 
II.3.2.1 - O TECLADO

O teclado é o dispositivo mais comum para entrada de dados. Existem vários tipos de teclados com diferentes arranjos e quantidades de teclas. Entretanto, a grande maioria segue a seguinte estrutura básica: bloco principal de teclas de máquina de escrever, bloco numérico e de movimentação do cursor e bloco de teclas de função.

Figura 7 - Teclado Padrão
.
O bloco principal do teclado contém as teclas presentes nas máquinas de escrever e teclas rotuladas de ESC, CTRL e ALT, usadas para controlar certos aspectos de operação do computador. A tecla TAB, indicada pelo símbolo , é semelhante à tecla de tabulação de uma máquina de escrever. Se a tecla SHIFT, for pressionada e uma outra tecla com dois caracteres também for pressionada, o caracter superior será impresso. A tecla rotulada CAPS LOCK é semelhante a uma tecla de letra maiúsculas de uma máquina de escrever. A tecla CAPS LOCK afeta apenas as teclas alfabéticas, por exemplo, se você ativar essa tecla e pressionar a tecla B, estará inserindo a letra maiúscula B; mas se pressionar a tecla 6, estará inserindo 6 e não ^ . Finalmente, a tecla ENTER é a tecla mais usada e serve para interagir com o computador, isto é, avisa quando uma operação deve ser processada.

Embora o teclado ainda seja o meio mais comum de entrada de dados, porém é um dispositivo inconveniente, por exemplo, para movimentar o cursor na tela. Para contornar as limitações do teclado, foram criados outros dispositivos: o Scanner que permite a entrada de dados na forma de imagens e o Mouse que facilita a movimentação do cursor na tela.

II.3.2.2 - O MOUSE

Não existe substituto para o teclado quando você está digitando texto num processador de texto. Entretanto, quando a maioria do trabalho consiste em selecionar itens ou mover objetos na tela, um mouse é muito mais conveniente.

Figura 8 - Um mouse
.
O mouse cabe na palma de sua mão e contém uma esfera na sua base que rola sobre uma superfície onde é apoiado. Quando você desloca o mouse, o cursor se desloca na mesma direção na tela.

II.3.2.3 - O SCANNER

Os scanners funcionam como uma máquina copiadora na conversão de fotografias ou outras imagens impressas para a forma digital. Depois de digitalizada a imagem, você pode carregá-la em seu computador, editá-la, incorporá-la a outros dados e salvá-la em disco.

Existem diversas configurações de scanners que você pode usar para atender a diversos requisitos de digitalização de imagens. Por exemplo, você pode dispor de um Scanner com Alimentação de Folhas que captura um lado de uma folha simples em cada passagem. Esse tipo de scanner processa páginas como as copiadoras de folhas simples. Já os Scanners de Mesa podem detectar até 256 níveis de cinza. Este tipo de scanner possui uma chapa de vidro sobre a qual você colocará a imagem. Em seguida, os fotossensores embaixo do vidro rastrearão a imagem. Recentemente, os scanners coloridos que oferecem resoluções mais altas estão se tornando mais predominantes com a queda nos preços.

II.3.3 - PERIFÉRICOS DE SAÍDA

II.3.3.1 - OS MONITORES DE VÍDEO

Os monitores de vídeo formam imagens com pontos, os pixéis (picture elements). A distância entre esses pixéis é o pitch de pontos. Quanto menor a distância, melhor a exibição visual. Os valores típicos de pitch de pontos variam de 0,32mm à 0,60mm. Os monitores de altíssima resolução possuem valores de pitch de pontos em torno de 0,28mm. Quanto menor o pitch de pontos, menos granulada será a imagem. Assim, os monitores com pitch de pontos acima de 0,40mm não oferecem resolução de tela aceitável para a apresentação de imagens. Um monitor de resolução 640 X 200 significa 640 pixéis por linha e 200 linhas na tela, resultando em 128.000 pixéis.

Figura 9 - Monitor de Vídeo
.
PLACAS DE VÍDEOS

Os monitores podem ser monocromáticos ou coloridos, com tamanho que varia de 12 à 20 polegadas, sendo o de 14 o mais utilizado. Para o computador conseguir colocar informações no monitor é necessário uma placa de vídeo. Existem no mercado os seguintes tipos de placas:

MODELO RESOLUÇÃO CORES
CGA 640 x 200  16
EGA 640 x 350 16
VGA 640 x 480 256
SVGA 800 x 600 256
SVGA 1280 x 1024 256
CORES

A cor nos monitores é exibida com a utilizacão de três cores primárias: vermelho, verde e azul. Um monitor colorido possui três canhões eletrônicos que irradiam uma combinação colorida de vermelho-verde-azul para um pixel. Assim, um pixel colorido consiste em três pontos lado a lado ( vermelho, verde e azul ). A esses pontos são atribuídas diferentes intensidades de cada cor do canhão. Se todos os três canhões detonassem num pixel com a mesma intensidade, o pixel apareceria com uma cor branca.

TELA SENSÍVEL AO TOQUE

A tela sensível ao toque fornece ao computador uma forma de detectar para qual parte da tela do monitor de vídeo você está apontando o dedo.

As telas sensíveis têm sido usadas para fazer a interface entre computadores e o público em geral não acostumado aos detalhes da computação, permitindo que o usuário aponte a função ou a figura que deseja executar. Essa tecnologia liberta o usuário do teclado e, além disso pouco treinamento é exigido para que ele use o computador.

II.3.3.2 - IMPRESSORAS

As impressoras de computador existem nos seguimtes tipos: matricial, jato de tinta e laser.
.

Figura 10 - Impressora Matricial
.
Uma impressora matricial cria seus resultados impressos escrevendo numa matriz de pontos.   A densidade da matriz de pontos ( agulhas ) indica a qualidade da impressão.

As impressoras jato de tinta funcionam espirrando gotas muito pequenas de tintas, pintando a informação com essas pequenas gotas. Essas impressoras oferecem mais qualidade de impressão do que as impressoras matriciais.

Uma impressora a laser é eseencialmente uma fotocopiadora controlada pelo computador, mas enquanto a copiadora obtém uma imagem de um documento original, uma impressora a laser cria uma imagem original do que você quer imprimir. Um raio laser controlado pelo computador pinta a imagem dentro da impressora, que depois imprime a imagem no papel.

II.3.4 - MULTIMÍDIA

A multimídia integra vídeo, sons, gráficos e textos, numa produção multínível de computador, que pode produzir um meio interativo de apredizagem, de diversão ou de treinamento.

TECNOLOGIA DE MULTIMÍDIA

A configuração mínima de um computador numa plataforma de multimídia é a seguinte:

  Processador 80486DX.
  16Mb de RAM.
  Adaptador e monitor de vídeo SVGA.
  Disco rígido.
  Um drive de disco flexível.
  Um mouse.
  Um teclado.
  Unidade de CD-ROM.
  Placa de som.
  Auto-falantes ou fones.
  Microfones.

A maioria das placas de som inclui uma entrada de microfone e uma saída de áudio estéreo. Algumas dessas placas fornecem áudio em nível de auto-falante de até 4 watts, outras fornecem som em nível de linha para você anexar à sua combinação de amplificador e auto-falante.